Sespa convida Complexo Hospitalar para fazer parte do Sistema OuvidorSUS

Ouvidores e técnicos das ouvidorias do Sistema Único de Saúde (SUS) participaram da "Oficina de Alinhamento das Ouvidorias do SUS em Ambiente Hospitalar", que a Ouvidoria de Secretaria de Estado de Saúde (Sespa) realizou na manhã desta quinta-feira, 31, no auditório da Unidade de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia (Unacon), da Unidade João de Barros Barreto, que pertence ao Complexo Hospitalar da Universidade Federal do Pará (UFPA)/Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh).

Segundo Andréa Costa, ouvidora da Sespa, o objetivo da Secretaria foi apresentar e convidar 17 unidades e hospitatais contratualizados, como as Organizações Sociais e o Complexo Hospitalar, para fazerem parte do Sistema OuvidorSUS, do Ministério da Saúde.  "As Organizações Sociais atendem por meio Serviço de Atendimento ao Usuário (SAU) e é o mesmo serviço de atendimento da Ouvidoria, mas utilizam nomenclatura diferenciada. Os hospitais Barros Barreto e Bettina Ferro faziam parte do Sistema OuvidorSUS, e como mudou a gestão para Complexo os chamamos também para que se incluam ao OuvidorSUS,  que é o Sistema de Nacional de Ouvidoria, do qual fazem parte todas as Ouvidorias Estadual e Municipal, e as Unidades Vinculadas. Conversamos internamente, por meio do OuvidorSUS, exclusivo às Ouvidorias do SUS e elas funcionam como canal estratégico de comunicação entre o usuário e o cidadão", disse Andréa Costa, que é farmacêutica.

No Pará, dos 144 municípios 74 já utilizam o Sistema. Todas as Unidades e Regionais da Sespa que fazem parte da Rede também. Ainda segundo a ouvidora da Sespa, não há prazo para que os hospitais passem a utilizar o Sistema e a expectativa do órgão é que possam aderir ainda este ano. "A oficina é inicial para apresentar o Sistema. Em outro momento vamos chamar essas 17 unidades para orientar sobre a ferramenta. Para o hospital é bom porque ao ser incluído no Sistema OuvidorSUS vai agilizar respostas, organizar fluxos das demandas e gerar relatórios. Já o usuário terá acesso às respostas com prazo menor que o enviado via documento, pois com o Sistema o acesso às informações e a resolução é mais rápida", afirmou Andréa, que é farmacêutica.

A oficina teve ainda como foco o planejamento das ações e a operacionalização das atividades que norteiam metas pactuadas para 2017; a padronização do processo de registro, tratamento, acompanhamento e resposta das demandas recebidas através do Sistema OuvidorSUS e a organização do fluxo do atendimento das solicitações via este sistema.

Na visão do ouvidor da Ebserh, José Neto, que atua no Complexo, o evento foi importante porque a Ouvidoria do Complexo passa por momento de normatização, ou seja, novas leis são criadas para que o trabalho da Ouvidoria seja norteado em função de algumas situações que antes não existiam diretrizes específicas. "Com isso, temos acesso à informação sobre como trabalhar melhor a legislação e faz com que a Ouvidoria se torne cada vez mais uma ferramenta de gestão para aqueles que estão à frente da administração da instituição", destacou José Neto.

Ele afirmou que o Complexo possui sistema próprio e vai se inserir no Sistema OuvidorSUS. "A oficina proporcionou o compartilhamento de informações e a experiência de diferentes ouvidores serviram de conhecimento, sendo até implantadas na nossa Ouvidoria e trazendo melhorias para o Complexo. O Complexo trabalha com o sistema próprio (Sig Ebserh), no entanto, nada impede que possamos utilizar esse sistema para que demandas externas sejam encaminhadas de forma correta pelo SistemaSUS, e isso vamos fazer".  

Sig Ebserh - As manifestações de usuários realizadas na Ouvidoria do Complexo são cadastradas no Sistema de Informações Gerenciais da Ebserh (SIG Ebserh), que é um sistema integrado de gestão que provê informações gerenciais para o suporte à tomada de decisões e ao planejamento estratégico da empresa. O SIG é um sistema modularizado que tem como propósito tornar o desempenho das atividades dos colaboradores mais eficiente e eficaz, além de garantir o acesso a informações de maneira rápida, íntegra e segura.
 

 

 

Texto e fotos: Cleide Magalhães - Complexo Hospitalar da UFPA/Ebserh.